GILSON

Gilson Gênio

Castor de Andrade comprou seu passe no início de 1985. Na época, ele atuava pelo Grêmio, embora ainda fosse jogador do América/RJ. Atuou no clube durante todo aquele ano mágico e relembra alguns momentos do time vice-campeão:

“Bati o primeiro pênalti naquela disputa com o Coritiba. Era um grupo maravilhoso, bem forte. Lembro claramente dos jovens Velto e Baby, dos zagueiros Jair e Oliveira, além dos meias Mário, Lulinha, Pingo e Israel”.

Gilson não era o titular da ponta-esquerda, no seu lugar estava Ado – que viria a perder o pênalti decisivo na final. Gilson gosta de contar que depois daquele jogo contra o Coritiba, o Bangu enfrentou o Goytacaz na estréia do Campeonato Carioca. Vitória por 1 x 0, com um gol do ponteiro no segundo tempo.

“Foram vários melhores momentos, não dá para destacar um só. Talvez todos que vivi em Bangu” – conta. Gilson, no entanto, atuou pouco: fez apenas 23 partidas (15 vitórias, 4 empates e 4 derrotas) e marcou 5 gols.