MARCÃO

Marco Aurélio de Oliveira

idolos-marcaoA trajetória de Marcão ainda nas categorias de base do Bangu, quando chegou oriundo de um time amador da Zona Oeste, o Mordomia, bastante tradicional, que era mantido por um revelador de talentos da região conhecido como Zico. Filho do Sr. Moacir e da Dona Elza, Marco Aurélio de Oliveira sempre foi um jogador disciplinado e de bons recursos, mesmo não tendo a técnica apurada como principal característica. Com a falta do toque de bola mais refinado, Marcão sempre compensou com vontade, garra e disposição, mas nunca excedendo em força ou usando expedientes desleais.

Sem histórico de violência, o volante foi lançado em 1992 entre os profissionais pelo técnico Dé em partida contra o Noroeste de Bauru, pela Série B do Campeonato Brasileiro, e aos poucos foi tendo oportunidades com a camisa alvirrubra na sequência daquele ano, inclusive com Moisés, que voltava a comandar o Bangu após ter deixado o nome na história do clube na década anterior.

Foi no ano seguinte que Marcão conseguiu garantir o seu espaço na equipe, bem como assumir de vez a camisa cinco banguense a qual vestiu por mais de duzentas vezes, e encerrou uma carreira marcada por muito espírito de luta e determinação. O hoje treinador do Bangu também atuou por Criciúma, Bragantino, Vasco, CFZ, Cabofriense e Juventude.

Um dos gols mais bonitos marcados no Estádio Proletário foi de autoria de Marcão, mas presenciado por poucos. Apenas 92 torcedores compareceram na noite de 02 de março de 1995, quando o Bangu derrotou o Campo Grande por 2 a 0. Em tabela começada ainda na sua grande área, Marcão e Macula protagonizaram uma verdadeira obra prima. O então volante arrancou e, a partir do meio de campo, trocou passes com Macula que fez cruzamento para uma espetacular bicicleta de Marcão que acertou o ângulo do goleiro alvinegro.

Marcão atuou em: 211 partidas; com 77 vitórias; 68 empates e 66 derrotas.Marcou 16 vezes entre 1993 e 2011.