MÁRCIO NUNES

MÁRCIO NUNES

idolos-marcio-nunesSurgiu no clube em 1982, aos 19 anos, quando João Francisco resolveu puxá-lo para os profissionais. Atuou até 1984, quando foi emprestado ao Bonsucesso e voltou justamente no ano da graça de 1985.

O lateral-direito participou de 188 partidas pelo Bangu, com 88v, 62e, 38d e marcou dois gols – ambos no Campeonato Brasileiro de 1985, contra o Brasília e o Villa Nova/MG. “Foram gols fundamentais para o time chegar às finais” – exagera Márcio Nunes.

Depois de perder a final para o Coritiba, a vida de Márcio sofreu um duro golpe. Em agosto de 1985, numa partida contra o Flamengo, no Maracanã, o lateral atingiu violentamente o ídolo maior deles – Zico, e a partir daí sua vida virou um inferno. “No início eu me perguntava por que eu fui fazer aquela falta, por que eu fui escolhido para ser crucificado assim? Depois, percebi que continuava o mesmo homem, honesto, digno, pai de família”.

Curiosamente, no dia primeiro de maio de 1988, a carreira de Márcio seria terrivelmente abreviada por uma outra entrada dura. Numa partida contra o Vasco, no mesmo Maracanã, o zagueiro Fernando acertou em cheio o joelho de Márcio. Apesar de todos os esforços, cirurgia, fisioterapia, musculação, o lateral nunca mais pôde jogar futebol.