ALERTA ENTREVISTÃO! Conheça Marcelo Marelli, o nosso treinador

Aos 39 anos, ele busca repetir o sucesso realizado na base banguense

O Marcelo Marelli é um homem de 39 anos, carioca, apaixonado por futebol. Treinador de futebol. Frequentador assíduo do Maracanã desde os seis anos de idade. Na adolescência, tentou iniciar o processo para ser jogador de futebol, assim como toda criança que chuta as bolas de couro nas peladas pelos campos de terra batida no Rio de Janeiro. O futebol corre em suas veias desde sempre. Competitivo, buscava a perfeição até que a ficha caiu e viu que o protagonismo como jogador de futebol seria cada vez mais difícil. Saiu de cena estrategicamente. Foi se preparar nos estudos para retomar sua paixão pela bola e, fora dos campos, buscar o sonhado protagonismo.

– Eu sempre fui muito crítico comigo mesmo. Sou muito competitivo, então quando eu não me vi com protagonismo na tentativa de ser jogador de futebol, primeiro busquei estar melhor comigo mesmo para depois tentar algo mais a frente, passei então estudar para retornar ao esporte e atualizado no que ele é hoje. Admito que tenho grande resistência a derrota. Por isso que toda equipe que trabalho e, por toda minha vida, lutarei para sempre buscar ganhar e melhorar. – contou Marelli.

Foto: Caio Almeida / Bangu AC

As marcas de suor na camisa cinza de comissão técnica do Bangu denunciam o fim de mais um treino sob o efeito escaldante do CT localizado em Deodoro, bairro da zona oeste do Rio Janeiro. O som do apito com o cordão azul e branco que chama atenção no pescoço, confirma mais um dia, das quase seis semanas de preparação, está chegando em seu final. As marcas de sol avermelhadas no rosto exalam o cansaço, mas de forma prazerosa, com a sensação sobre o time executar, à risca, suas orientações. Isso enche o técnico de esperança por dias de glórias e muitas descobertas na carreira profissional, já que até ano passado, Marelli era o treinador que levou o Bangu às semifinais do Carioca sub-20. Ele contou o que busca e qual a sua aferição de parâmetro para o trabalho que realiza.

– Busco sempre o futebol ofensivo, vistoso. O futebol é, além de tudo, entretenimento. Apesar de novo, sou um saudosista do estilo do futebol antigo, sabe? Estou sempre tentando adaptar a estética e beleza daquele tipo de jogo com a intensidade e modernidade de hoje. Busco sempre nas minhas equipes jogar para frente, sem medo e com eficiência – explicou.

Prestes a iniciar sua carreira oficialmente como técnico do time profissional do Bangu, Marcelo Marelli busca fazer história, passo a passo, sem pular etapas, mirando o Alvirrubro entre os primeiros do campeonato carioca.

– Meus grandes objetivos são fazer um belo campeonato e temporada dirigindo o Bangu. Elevando o clube onde ele merece realmente estar. Um clube de enormes tradições. Depois, claro, buscar algo ainda maior na carreira, sou novo tenho 39 anos, mas sou prudente e o Bangu me abriu as portas para tentar realizar o meu sonho que é de praticar um futebol bonito e eficiente e assim eu vou com muita firmeza e convicção – afirmou.

Sobre sua curta carreira, Marelli falou com saudade e orgulho do belo trabalho de destaque realizado no time sub-20 do Bangu em 2020.

– Meu trabalho na base do Bangu se iniciou em agosto do ano passado no sub-20, após a fase crítica da pandemia. Eu então voltei ao Rio de Janeiro e foi um dos melhores trabalhos que fiz na minha carreira até aqui. Tanto que só perdemos três jogos no Carioca (Vasco, America e Botafogo). Ganhamos do Flamengo, Fluminense e tivemos dois empates contra o Botafogo. Sempre nos baseamos na proposta de fazer um jogo ofensivo e por pouco não chegamos na final do Estadual – finalizou.

Sua busca, com a comissão técnica que foi montada para 2021, pela perfeição e ofensividade são quase que passionais. Sua dedicação irradia o seu entorno. Ao lado do auxiliar técnico Rosinei (Ex-jogador multicampeão no Corinthians dos anos 2000), ele tenta dar o salto na carreira com os ingredientes para o almejado lugar ao sol. O sucesso. Marcelo quer o Bangu no topo. Nós também. Boa sorte, Marelli!

Texto: Marcos Benjamin
Fotos: Caio Almeida